Oficina Educação em Foco “Autoconsciência”

É com grande alegria no coração que vimos compartilhar o resultado das reflexões do nosso último Encontro Pedagógico sobre a dimensão/domínio da Inteligência Emocional (IE) denominada “AUTOCONSCIÊNCIA”.

O tema estudado nos oportunizou reflexões profundas no âmbito das inúmeras experiências de vida a que estamos submetidos. Entendemos que a autoconsciência é o passo fundamental para a educação.

Nosso trabalho foi norteado pela pesquisa de Daniel Goleman que vem apresentando a Inteligência Emocional sob a ótica dos cinco “domínios” ou “dimensões” que seguem:

  • AUTOCONSCIÊNCIA;
  • AUTOCONTROLE;
  • AUTOMOTIVAÇÃO;
  • CONSCIÊNCIA DO OUTRO;
  • HABILIDADES SOCIAIS;

Ainda sob a perspectiva de Goleman, cada domínio traz em seu raio de abrangência “competências”, que vêm tornar mais clara a compreensão das habilidades do indivíduo no seio da experiência humana.

Nesta oportunidade, nos detivemos no estudo do primeiro domínio ou dimensão proposta pelo autor, a AUTOCONSCIÊNCIA, que engloba as seguintes competências: Autoconsciência Emocional; Autoavaliação Precisa e Autoconfiança.

Então, mãos à obra!!!

O que entendemos por “AUTOCONSCIÊNCIA”?

É considerada a mais importante dimensão da IE, juntamente com suas competências, por formar a base necessária para o desenvolvimento de outras competências. Qual a compreensão que temos do assunto?

Neste momento, como proposta de atividade, fomos convidados a refletir e fazer um registro escrito sobre os questionamentos:

01) Em situações específicas do contexto diário, como me sinto?

02) Como exteriorizo o que estou sentindo e como me manifesto?

Pensemos!!!!

Reflexão feita e registro realizado, eis que o autor vem conceituar o termo, ampliando o nosso entendimento e possibilitando uma discussão ainda mais rica sobre o domínio estudado.

Autoconsciência é a dimensão do “eu me conheço”, que nos faz conscientes dos nossos pontos fortes e limitações, daquilo que altera as nossas emoções e dos impactos que elas geram.” (Daniel Goleman)

Buscando melhor compreensão do assunto, o debate nos conduziu ao estudo das competências que compõem esta dimensão tão importante.

Autoconsciência Emocional, eis a primeira competência!

Mas, Autoconsciência Emocional, ao que nos remete? Qual o entendimento que temos do termo? E mais! Alguém com esta competência desenvolvida, como se manifesta?

O grupo fez algumas considerações, e surgiram opiniões como: “equilíbrio nas emoções” ou “lucidez da emoção”. Em outras palavras: você conhece, reconhece, identifica as emoções.

Somos capazes de reconhecer, no campo das emoções, o que nos eleva? E o que nos deixa em desequilíbrio?

Autoconsciência Emocional é reconhecer as emoções e seus efeitos. (Daniel Goleman)

Ainda segundo o autor uma pessoa que possui esta competência apresenta os seguintes indicadores:

  1. Identifica as emoções que sente e por que as sente;
  2. Entende a ligação entre o que sente e o que pensa;
  3. Reconhece como as emoções afetam suas ações;

Avançamos um pouco mais no tema e seguimos para a segunda competência da dimensão “Autoconsciência”. Trata-se da Autoavaliação Precisa.

Autoavaliação Precisa … que entendimento o termo nos proporciona? Alguém com esta competência como se comporta?

Em meio às nossas discussões, um integrante do grupo pontuou: “Auto-avaliação precisa é, na minha concepção, a competência da sinceridade consigo mesmo”.

Após amplo debate, recorremos então ao conceito que o autor atribui ao termo.

Auto-avaliação precisa é conhecer suas capacidades e limitações.” (Daniel Goleman)

Uma pessoa com esta competência apresenta os seguintes indicadores:

  1. Tem consciência dos seus pontos fortes e fracos;
  2. É capaz de refletir sobre as experiências vividas e aprender com elas;
  3. Aceita comentários (feedback) de outras pessoas sobre suas atitudes;
  4. Sabe rir de si mesma;

Tendo maior clareza sobre os aspectos estudados, iniciamos uma abordagem em torno da terceira competência “Autoconfiança”.

Lançando mão da mesma linha de ação, nos questionamos: Ao que o termo Autoconfiança nos remete? Como reconhecer em alguém esta competência?

Goleman nos apresenta o seguinte conceito: “Autoconfiança é ter confiança em si mesmo.”

E uma pessoa que possui esta competência apresenta os seguintes indicadores:

  1. Sabe do que é capaz;
  2. Tem disposição para assumir desafios;
  3. Expressa suas opiniões com franqueza, mesmo que possam desagradar alguém;
  4. Mostra-se como uma pessoa segura;

Obviamente os questionamentos geraram ampla discussão e o grupo, a partir das construções feitas até então, perpassou por vários aspectos da vida, relacionando o conteúdo estudado com a prática.

–  “Autoconfiança é saber que é capaz”;

– “Nós nos boicotamos. Não precisamos depender tanto da presença do outro. Por vezes precisamos saber apreciar os momentos em que nos encontramos sozinhos, talvez seja uma grande oportunidade de nos percebermos”;

Em dado momento, tendo em vista o terceiro indicador deste domínio, nossa discussão nos conduziu a fazer uma reflexão profunda sobre a sinceridade.

– “Não fomos preparados para lidar com a sinceridade. Por vezes encontramos dificuldade para sermos sinceros, ou mesmo para lidar com a sinceridade do outro”.

-“Precisamos aprender a ser enérgicos e serenos, gerando, ao mesmo tempo, equilíbrio”.

-“É importante que esta sinceridade traga consigo uma carga de bons sentimentos. Não devemos confundir sinceridade com aspereza e acabar utilizando-a como um componente de vingança.

Concluímos nossos Encontro Pedagógico assumindo um compromisso conosco mesmos, de sermos mais atentos a nós, a percebermos nossas reações mediante às situações que nos ocorrem para que possamos identificar as causas que estão em nossa intimidade, propondo, assim, um movimento de transformação verdadeira.

Autoria Equipe Pedagógica Ubuntu Vila Educacional

Conheça um pouco mais sobre nossa proposta: SOBRE NÓS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *